Quem tem direito

Em princípio todos os descendentes de italianos têm direito à cidadania dado que é transmitida por sangue (parentesco) sem limites de gerações, mas existem algumas restrições nos casos das transmissões pela linha materna.

Por linha paterna. Tem direito à cidadania italiana as pessoas cujos ascendentes diretos do lado italiano sejam todos do sexo masculino.

Por linha materna. Nos casos onde haja uma mulher na linha de transmissão, ela só pode transmitir a cidadania para filhos/as que tenham nascido após 01/01/1948.

Por casamento. Mulheres e homens casados com italianas/os até o dia 27/04/1983 tem direito à obtenção da cidadania de forma automática nos casos em que à cidadania da sua esposa ou do seu marido for reconhecida. Também terão o mesmo direito os casais homoafetivos.

Para iniciar o processo, o primeiro passo que deve ser dado é encontrar o teu ascendente italiano, que será a pessoa à que chamamos de dante causa, ou seja, a pessoa que dá o direito à cidadania à seus descendentes.

Não esqueçamos que a Itália surge como um país unificado em 1861. Assim que, para ser considerado italiano o antepassado precisa ter nascido na Itália unificada.

Também é muito importante saber o local de nascimento do familiar originário italiano porque algumas regiões, que são atualmente italianas, no passado eram de domínio estrangeiro, como por exemplo Trento que fazia parte do Império Austro-húngaro até o ano de 1919. Desta forma, só se consideram “italianas” as pessoas que saíram dessa região após 16/07/1920.

Outro fator que se deve ter em conta é que muitos italianos que se naturalizaram brasileiros abriram mão da cidadania italiana, e esta desistência implica que infelizmente não possam transmiti-la aos seus descendentes.

Entre em contato conosco para saber se você tem direito à cidadania italiana.

Rodapé

Anúncios